top of page

5 Formas de facilitar o uso do seu EPI neste verão



Já falámos anteriormente num artigo sobre o trabalho em ambientes frios. Mas agora com a chegada do verão, chega também o sol e o calor. E com isso, um potencial problema nos dias quentes que se farão sentir:


O negligenciarmos o uso dos nossos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e prejudicarmos o nosso trabalho, mas mais grave que isso, a nossa saúde, devido à desidratação e outras enfermidades provocadas pelo calor excessivo.




Muitos de nós tentaremos ficar mais “à vontade” enquanto trabalhamos, mas temos de ter em mente que os acidentes de trabalho não tiram férias!






Para quem trabalha num escritório, a solução pode passar simplesmente por ligar o ar condicionado, retirar um casaco ou arregaçar as mangas.


No entanto, para aqueles que trabalham por exemplo, em ambientes exteriores, trabalhar com EPI não é assim tão simples - pode oferecer alguns desafios e ficarem facilmente expostos a ameaças como a insolação, a desidratação, e raios Ultra-Violeta (UV) que são potencialmente causadores de cancro. Entre estes trabalhadores encontram-se os de indústrias como a construção, o petróleo, o gás e a energia.



A maioria de nós reconhece a importância dos EPI, mas no clima quente, ensolarado e de verão, pode ser muito tentador removermos os capacetes ou outros EPI para arrefecer, mesmo que por breves momentos, e podemos depois esquecermo-nos de colocá-los de volta.


Desta forma, recomendamos-lhe:


5 formas de facilitar o uso do seu EPI neste Verão

Ter em conta que estas recomendações devem ser não só tidas em conta pelos colaboradores como também pelos empregadores.


1 - Evitar as horas de maior calor
Trabalhar ao calor

Se possível, deveremos ficar fora do alcance do sol durante a fase mais quente do dia, adiantarmos ou atrasarmos o turno de trabalho, e usarmos um chapéu ou um capacete com abas grandes o suficiente para protegerem também o pescoço do sol.



2 - Manter-se hidratado!
Hidratação no trabalho

A desidratação é um problema sério em zonas de Portugal que têm temperaturas muito altas nos meses mais quentes. A função cognitiva pode ficar reduzida, os tempos de reação aumentados, a tomada de decisão prejudicada, e consequentemente a produtividade reduzida.



Eis algumas dicas de como prevenirmos os riscos de desidratação:

  • Hidratarmo-nos bem antes do nosso turno de trabalho;

  • Minimizarmos o consumo de álcool;

  • Não esperarmos por sentir sede, pois na altura em que sentimos sede o nosso corpo já se encontra desidratado;

  • Darmos preferência a bebidas saudáveis e com baixos níveis de açúcar;

  • Consumirmos bebidas frescas (são mais apelativas e encorajam mais ao seu consumo);

  • Deveremos ainda ter sempre uma garrafa de água por perto para evitarmos os efeitos da desidratação (a sensação de sede, tonturas ou confusão).

  • Bebermos água em pequenas quantidades de forma regular, em vez de grandes quantidades apenas ocasionalmente;

  • Consumirmos alimentos ricos em água (como por exemplo melancia).


Quando há um número significativo de colaboradores no local de trabalho, pode ser uma boa ideia criar vários pontos de recolha de água, bem como estruturas temporárias que ofereçam sombra e/ou fresco para os colaboradores fazerem pausas sempre que necessário.


Já percebemos que nos devemos certificar que nos mantemos hidratados durante os dias de trabalho mais quentes, pois especialmente ao trabalhar com EPI, o nosso corpo pode perder água muito rapidamente através da transpiração.

Mas os sinais de desidratação podem ser facilmente ignorados se nos estivermos a aproximar de algum prazo no nosso trabalho (“são só mais 20 minutos”, ou estamos tão concentrados que “fica para depois”), e devemos evitar estas situações.



3 - Escolher o tipo certo de EPI, e mantê-lo em condições!
  • Material

    • Deve cumprir todas as normas de segurança, mas também ser leve e respirável, como o algodão por exemplo, que permite a respiração e transpiração do corpo, evitando o acumular de suor na pele, e consequentemente o seu aquecimento.

    • Devemos optar por cores mais claras (por exemplo azul, em vez de preto) que ajudem a refletir o calor do sol em vez de absorvê-lo.

Veja abaixo alguns exemplos de fardamento 100% algodão:

Polo Predator 100% algodão
T-Shirt Imperial 190GR 100% algodão
Calças 100% algodão 245 gr

  • Limpeza e manutenção

    • O calor extremo e outros fatores relacionados, como a sujidade, o pó e a transpiração, podem causar um desgaste mais rápido do EPI, e por isso é também importante garantir que o equipamento de proteção seja corretamente limpo, para preservar as suas características.


Abaixo exemplo de calçados que poderá usar para setores como a construção. Estes são respiráveis para que consiga suportar o calor do verão:

Sapato Perfurado Scorpio S1p
Bota PU Alpha Safety S4















  • EPI acessórios

    • Que ajudam a aliviar o calor:

      • chapéus com ventilação

      • bandas de absorção do suor

      • bandas de refrigeração

      • entre outros

    • Para proteger os olhos do sol e de quaisquer riscos associados, devem ser usados óculos de segurança:

      • com proteção UV

      • anti-embaciamento

    • Para proteger a pele e mucosas:

      • Protetor solar SPF 50+

      • Bálsamo labial protetor de UV

    • Para manusear materiais que estejam muito quentes devido à incidência solar:

      • Luvas

      • Mangas de proteção contra o calor


Veja abaixo alguns exemplos:

Luva Ninja Ultimate ventilação traseira
Oculos Nitro Lente de protecao contra UV e anti embaciante
Boné de proteção BUMPER capacete interior ABS e ventilação lateral













4 - Pausas frequentes

Trabalhar em temperaturas mais quentes pode ser cansativo e adicionar outra camada de stress em cima de ambientes já fisicamente exigentes. Para evitar este stress físico adicional, deveremos fazer pausas frequentes durante o dia de trabalho, porque quando nos cansamos ou trabalhamos até ao limite é quando os acidentes tendem a acontecer! É ainda recomendável que estas pausas sejam feitas em áreas à sombra ou com ar condicionado.


Devemos certificarmo-nos que descansamos o suficiente para que consigamos continuar o trabalho de forma segura e eficiente.


Contudo, este pode ser um procedimento difícil de aceitar para alguns empregadores, porque pode parecer que os colaboradores estão sempre “em pausa” ou a aproveitar a situação, e a que a produtividade esteja a ser afetada. Isto pode resultar em pressões para que os colaboradores descansem menos frequentemente quando há tarefas significativas a serem concluídas. É necessária uma forte cultura de segurança para encontrar o equilíbrio certo para uma produção segura.


O mais importante, é lembrarmo-nos que o trabalho não será feito se os colaboradores ficarem doentes. Se ambos ,empregadores e colaboradores, estiverem alinhados com os valores fundamentais da empresa, e a segurança seja um desses valores, o trabalho será feito com segurança sem que os empregadores sintam que os colaboradores se estão a aproveitar, e estes irão querer cumprir os objetivos num prazo aceitável sem comprometer a sua segurança.


5 - Eduque-se a si próprio e aos seus colegas!
  • Sinais de stress térmico por calor

    • Devem ser dadas, quer aos colaboradores quer aos empregadores, formação e educação relevantes sobre a segurança térmica, como os riscos de exposição ao calor e as formas de evitá-lo, pois isto pode ajudá-los a reconhecer os sinais de doenças relacionadas com o calor e assim auxiliar mais facilmente.

  • Uso permanente de EPI

    • Deve ser sublinhada a necessidade de usar permanentemente os EPI no local de trabalho e de os remover apenas quando se encontram nas zonas de segurança designadas.

  • Protetor Solar

    • Os trabalhadores externos estão cerca de 5 a 10 vezes mais expostos aos raios UV do que os trabalhadores internos, portanto é fundamental tentarmos minimizar a exposição ao sol, e aplicar protetores solares UV.


  • O Protetor Solar não é obrigatório nem é fácil controlar o seu uso, mas devemos trabalhar para construir uma cultura pró-ativa de combate ao cancro. Num ambiente ideal, seria mais estranho alguém não usar protetor solar no trabalho, do que usá-lo; ao contrário do que acontece na nossa realidade atual.




Assim, os empregadores devem considerar o fornecimento de EPI sazonalmente adequados, uma vez que este custo é mínimo quando comparado com o custo da baixa de colaboradores por estas enfermidades. Além disso, estas medidas como a criação de formações, mais pausas para os colaboradores poderem recuperar e acesso mais fácil a água, reforçam uma cultura de segurança positiva e refletem a preocupação do empregador com o bem-estar dos colaboradores.




Concluímos portanto, que os EPI são a última linha de defesa essencial para nos protegermos contra riscos de segurança no trabalho, por isso é mesmo vital que os empregadores forneçam e garantam o seu uso adequado e medidas complementares, com atenção reforçada nestas alturas do ano mais “falíveis”.



Contacte-nos sempre que necessitar, pois estamos aqui para o aconselhar e para o manter em segurança.





Adaptado de

Goodfish

Lakeland

Lexology

Manutan

Safe Start

Pro Choice Safety Gear


コメント